O que Hollywood e o Vale do Silício tem em comum


11 de abril de 2016 | por SP Ventures

 
por SP Ventures
  11 de abril de 2016
 

Em fevereiro de 2015, a cerimônia do Oscar laureou pela 87ª vez o melhor do cinema. O perfil das premiações evidenciou uma potencial crítica da academia ao caráter financeiro assumido pela sétima arte nas décadas recentes.
 

Através do tempo o cinema passou a ser visto mais como uma modalidade de investimento de alto risco e retorno do que como uma modalidade artística, podendo ser comparado ao Venture Capital. Nessa perspectiva, pode-se estabelecer diversos paralelos entre essas indústrias, como empreendedor e roteirista, startup e script, equipe e elenco, gestora de Venture Capital e estúdio de cinema.
 

O Elevator Pitch, por exemplo, é um recurso amplamente adotado por empreendedores e roteiristas para resumir um projeto em uma abordagem de venda objetiva e impactante. Essa técnica parte do objetivo de descrever uma startup, ou um script, de maneira a atrair o interesse de um investidor no tempo equivalente ao de uma viagem de elevador – em geral, toma-se por base uma duração próxima de um minuto.
 


02_Elevator Pitch

 
Uma ferramenta utilizada para realizar uma abordagem ainda mais direta é o High Concept Pitch. Originado na indústria cinematográfica, o High Concept Pitch busca referências conhecidas para sumarizar uma ideia da forma mais sucinta possível. Talvez um dos exemplos mais recorrentes seja o idealizado pelos roteiristas do filme Alien (1979), que abordavam os estúdios de Hollywood resumindo o script do longa em apenas três palavras, “Jaws no espaço”. Aplicado a startups, pode-se definir o LinkedIn como “Facebook para negócios” e, de uma maneira bem-humorada, o Twitter como “Blogger para pessoas com DDA”.
 


03_Jaws Space

 
Outra semelhança notória é a expectativa de que a minoria dos filmes, ou empresas, de um portfólio gerem um retorno que compense o investimento na carteira como um todo. Na indústria cinematográfica, estima-se que ao menos 60% dos filmes produzidos nos EUA tenham sido verdadeiros fracassos de bilheteria. Na indústria de Venture Capital americana essa estatística é ainda mais radical. Em média, espera-se que o capital alocado em menos de 20% das empresas do portfólio tornem a carteira toda rentável. A expectativa de que as perdas advindas de mais da metade dos investimentos realizados em ambas as indústrias sejam compensadas pela alta performance de poucos blockbusters expõe o perfil de alto risco peculiar a estes mercados.
 

A replicação de fórmulas de sucesso surge como uma maneira de mitigar esse risco. Orientados pelos investimentos que apresentam os maiores retornos, gestores de Venture Capital e estúdios de cinema se mostram interessados no potencial de replicabilidade de padrões até que uma tendência seja esgotada ou ultrapassada. Por esse motivo é comum que filmes que alcancem resultados de bilheteria extraordinários tenham sequências ou obras similares – fenômeno observado com o gênero de super-heróis nos últimos anos. Da mesma forma, o sucesso alcançado pelo Facebook abriu o mercado para que outras mídias sociais emergissem no radar de investidores de Venture Capital.
 

Em ambos os universos, o sucesso de um projeto é mensurado pelo retorno auferido sobre o capital investido. Paranormal Activity (2007) foi o filme que desempenhou essa métrica com o maior êxito na história do cinema. Com um orçamento de 15 mil dólares, o longa de terror da Paramount Pictures arrecadou mais de 190 milhões de dólares em bilheterias – traduzindo-se em um lucro superior a um milhão de dólares para cada dólar investido. Na indústria de Venture Capital, uma das operações que geraram o maior retorno sobre investimento foi a do Whatsapp. Ao precificar cada um dos 450 milhões de usuários ativos do aplicativo de mensagens a 42 dólares, o Facebook gerou uma valoração na participação da Sequoia Capital na empresa de cerca de 50 vezes – seus aportes, somados em cerca de 60 milhões de dólares, foram convertidos em um retorno de 3 bilhões de dólares.
 
 

Ranking dos filmes lançados nos EUA por retorno em bilheteria sobre investimento (2014)

Ranking dos filmes lançados nos EUA por retorno em bilheteria sobre investimento (2014)

 
Não obstante existam diversas práticas correlatas entre os dois mercados, há um enorme descompasso no que tange à tendência a inovar. Enquanto o Venture Capital cultua as tecnologias disruptivas, o mainstream da indústria cinematográfica se mostra reticente em apoiar fórmulas que rompem paradigmas. Boyhood retrata o cotidiano de uma família por meio de filmagens registradas anualmente de 2002 a 2014. Apesar de conceitualmente inovadora, a obra minguou com apenas uma estatueta do Oscar – dentre seis indicações. Com isso, o filme entrou para o arcabouço de obras disruptivas relegadas pelo Oscar, ao lado de clássicos como Citizen Kane (1941).
 

Orson Welles no papel de Cidadão Kane, em filme homônimo (1941)

Orson Welles no papel de Cidadão Kane, em filme homônimo (1941)

 
Todavia, se por um lado o Oscar ainda se mostra conservador perante inovações, por outro, a academia vem se posicionando contrária ao entretenimento massificado. Em 2015, as principais premiações foram distribuídas entre produções independentes, como Birdman e Whiplash, que não ultrapassaram 60 milhões de dólares em faturamento. Esse cenário assinala mais um potencial descolamento com a indústria de Venture Capital, no sentido do anseio pelo retorno às raízes artísticas do cinema em oposição a sua percepção de investimento de alto risco e retorno.
 

Cena do longa-metragem Whiplash (2014)

Cena do longa-metragem Whiplash (2014)

 
De toda forma, o fato de as duas indústrias estarem sediadas na Califórnia não é mera coincidência. O estado americano é permeado por uma cultura empreendedora e tolerante ao fracasso. Nos dois casos, a Califórnia também reúne um ecossistema completo, composto por capital humano e financeiro altamente especializado. Outra realidade inquestionável é que nenhuma outra região do planeta conseguiu impactar tanto a sociedade moderna de forma sistemática e recorrente como o eixo Hollywood-Vale do Silício. Coisas incríveis acontecem quando empreendedores de alto impacto encontram financiadores dispostos a acreditar em sonhos. Assim nascem os blockbusters.

Tags:

Elevator Pitch  Hollywood  Oscar 2015  Siliconwood  Vale do Silício  
POSTS RELACIONADOS
Comente